Como a Nova Zelândia me ensinou a ser mais corajoso

Como a Nova Zelândia me ensinou a ser mais corajoso

Há 3 meses eu resolvi mudar e reescrever a minha história. Peguei minhas malas e cruzei um oceano em busca do novo, do inusitado, do amanhã.

Digo para vocês que não foi fácil e continua não sendo. Talvez pela minha vontade de querer me mudar para caber nesse mundo…

Escolhi um caminho e esperei que ele fosse sanar todas as minhas dores, angústias, desassossego. Mas não foi assim. A vida é construção, ou melhor, desconstrução e muitas vezes me tira do chão. Me desafia a lutar, aceitar, recomeçar. Me abraça e me derruba, me levanta e me estimula.

Sinto uma certa estranheza às vezes, sinto como se eu tivesse trocado a sintonia, sinto-me anestesiado em relação as minhas dores e medos, como se eles não existissem mais.

E vcs querem a verdade?

Intercâmbio Tony – Nova Zelândia

Eu não sei, talvez nunca existiram, ou talvez deixaram cicatrizes na alma como um recado – “nós fizemos de você mais forte, mais esperto, mais concreto, mais consistente.” As coisas mudam, as coisas passam, nada se perde, tudo se transmuta. E assim vou seguindo, com uma única certeza que não vou mais me mudar para o mundo, vou mudar o mundo para mim. Faz parte disso tudo sofrer, mas sofrer sem aprender é sofrer em vão. Chorar, mas sem assumir que chora é ser fraco.

Não chorar por medo de ser fraco, é covardia.

Amadurecer engloba saber as questões da vida: eu vou ter amigos, eles podem me decepcionar, mas eu vou ter que estar preparado para isso. Eu vou ter namorados, mas tenho que entender que nem tudo, ou todos, é/são para sempre. No fundo, no fundo, tenho que estar preparado para estar sozinho, e ser sozinho. Até porque eu não vim para esse mundo com alguém e muito menos vou morrer de mãos dadas com outro alguém. Eu vim para aprender e evoluir.

E se eu não conseguir fazer nada disso, não faz muito sentido viver, né?

Intercâmbio Tony – Nova Zelândia

Agradeço muito ao apoio da galera da Dual Travel e costumo dizer que para mim, eles foram como meus psicólogos, essa jornada seria mais difícil sem o apoio e conselhos deles. GRATIDÃO!

Tony Fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *